segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Leandra fala sobre Sexualidade das Pessoas com Deficiência em Congresso Gratuito e ON LINE sobre Sexualidade







TÁ CHEGANDO A HORA!! FAÇAM SUAS INSCRIÇÕES!

1° Congresso ON LINE totalmente GRATUITO sobre Sexualidade para Profissionais de Saúde e pessoas interessadas. 


O evento é ABERTO ao público e não precisar pagar NADA! 

Façam suas inscrições agora SOMENTE neste link:


https://go.hotmart.com/F5125553L?ap=e696











segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Hong Kong quer debater sobre sexualidade da pessoa com deficiência com Macau


a-sexualidade-vivida-pelas-pessoas-com-deficiencia-e-ainda-um-assunto-tabu-e-e-preciso-debater-o-assunto-com-a-sociedade


A sexualidade vivida pelas pessoas com deficiência é ainda um assunto tabu e é preciso debater o assunto com a sociedade

É um assunto tabu em quase todo o mundo, e mesmo na Europa, em Portugal, só recentemente começou a ser abordado. As pessoas com deficiência também vivem a sua sexualidade, mas continua a persistir a ideia de que a intimidade é uma área que eles não vivenciam.

Foi a pensar nisso que o Hong Kong Women Christian Council promoveu um debate sobre o assunto na região vizinha, mas a ideia é que possam ser estabelecidas ligações com entidades de Macau para discutir este tema no território. “Estamos a planear partilhar a nossa conferência com alguns grupos que tenham interesse na questão ou com organizações de apoio à deficiência em Macau. Também estamos a planear fazer alguma peça de teatro educacional para os portadores de deficiência em Macau”, disse ao HM Little Wing Yick, uma das responsáveis pela organização.

A discussão em torno da sexualidade na deficiência começou em 2012, quando o Hong Kong Women Christian Council publicou 12 histórias no livro “O amor não tem deficiência”. Desde então que tem feito também investigação sobre o assunto e sobre casos noutros países.

“A sexualidade na deficiência é ainda um grande tabu na sociedade de Hong Kong. Encontrámos alguns casos de deficientes que, no seu dia-a-dia, sofrem abusos sexuais e existe falta de educação sexual para eles. Os subsídios que são concedidos permitem as pessoas com deficiência manterem os seus empregos, viagens, manterem uma casa e serviços médicos, mas não existe nada para as suas necessidades sexuais ou íntimas. Há uma ideia de que o portador de deficiência não deveria ter sexo. Por isso esperamos alertar o público para esta questão dos direitos dos deficientes em relação ao sexo e prevenir os abusos contra estas pessoas”, adiantou Little Wing Yick.

Para a responsável, “tudo está relacionado com o problema da indústria em Hong Kong”. “Acreditamos que, quando abordamos a prática de serviços sexuais em relação aos portadores de deficiência, deveríamos aprofundar questões que têm que ver com a lei, direitos humanos e medicação”, disse ainda.

Abusos sexuais são realidade

Hetzer Siu, presidente da Macau Special Olympics, uma das entidades que representa as pessoas com deficiência, fala da existência de casos de abuso sexual que nunca chegam a constituir processos judiciais, por falta de provas.

“No passado aconteceu e mesmo hoje em dia há vários casos de abusos sexuais em Macau, porque as pessoas com deficiência mental estão mais vulneráveis, porque mesmo que sejam alvo de abusos não conseguem falar do que se passou. Mesmo que os casos vão parar à polícia, não conseguem encontrar provas porque a vítima não consegue expressar o que aconteceu. Ainda assim não há muitos casos porque Macau é uma sociedade pequena e comunidade irá saber quem abusou de uma pessoas com deficiência. Nesse sentido é vantajoso vivermos numa sociedade pequena”, explicou.

Ainda assim, existe o lado bom da medalha: os deficientes que conseguem ter uma vida normal e constituir família.

“Há um ponto interessante na sociedade de Macau, porque segundo a tradição chinesa os filhos homens têm de ter filhos e casar, então há muitos pais que tentam encontrar uma esposa para os seus filhos. Tentam arranjar um casamento tradicional para eles. Em relação às mulheres, alguns pais também procuram que as suas filhas encontrem um parceiro, porque pensam que é muito importante constituir uma família.”

Hetzer Siu considera que é importante debater o assunto em parceria com Hong Kong, mas alerta para as dificuldades em abordar a realidade dos abusos sexuais.

“É necessário apostar na educação sexual para os pais destas pessoas, porque a sexualidade é uma necessidade básica de qualquer ser humano. É preciso que haja mais informação sobre o controlo de doenças sexualmente transmissíveis e também sobre relações sexuais protegidas. Todas as pessoas têm essa necessidade, sobretudo de intimidade, e não me refiro apenas ao sexo. As pessoas com deficiência têm necessidade de estabelecer relações íntimas e não apenas relações sexuais”, rematou o presidente da Macau Special Olympics.

Fontes: hojemacau - turismoadaptado.wordpress.com

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Estima-se que a taxa de abuso sexual e físico entre mulheres com deficiência chega a ser duas vezes maior que entre as mulheres sem deficiência

Audiência Pública sobre violência contra mulheres com deficiência


mesa de debatedores da audiencia publica.

A deputada federal Rosinha da Adefal (PTdoB/AL) presidiu nesta quinta-feira (8) audiência pública realizada pela Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência da Câmara dos Deputados. A reunião tratou sobre a múltipla vulnerabilidade da Mulher com Deficiência diante de situações de abuso e violência doméstica. 
O encontro foi um dos debates propostos pela parlamentar para celebrar as comemorações do dia Internacional das Pessoas com Deficiência, comemorado em 3 de dezembro, com o objetivo de promover uma maior compreensão dos assuntos concernentes à deficiência e para mobilizar a defesa da dignidade, dos direitos e o bem-estar das pessoas.
“No Brasil, cinco mulheres são violentadas a cada hora. Porém, não existe dado oficial sobre quantas delas são mulheres com deficiência. Estima-se que a taxa de abuso sexual e físico entre mulheres com deficiência chega a ser duas vezes maior que entre as mulheres sem deficiência”, elucidou a deputada Rosinha.
“Essas mulheres enfrentam a grande dificuldade de notificar o abuso sofrido, primeiramente, por, muitas vezes, depender do auxílio e do cuidado de seus agressores. Depois, por enfrentar barreiras físicas, de acessibilidade, financeiras ou até de comunicação”.
Para combater essa realidade, é necessário modificar a visão do poder público e retirar essas mulheres da invisibilidade. Foi essa síntese da fala das participantes da audiência, que contou com a presença da Coordenadora Geral do Sistema de Informação da Pessoa com Deficiência, Carolina Gomes; das dirigentes e fundadoras da ONG Essas Mulheres, Marcia Gori e Adriana Dias; e da secretária adjunta da Secretaria de enfrentamento à violência contra a mulher, Betânia de Assis. “É preciso reconhecer a existência e a recorrência desse tipo de abuso e construir políticas públicas para evitá-los e cessá-los”, defendeu Rosinha da Adefal.
Segundo as palestrantes, diferentemente do que ocorre na violência doméstica e nas agressões às mulheres sem deficiência – em que a dependência financeira e emocional são os principais motivos pelos quais as mulheres desistem de denunciar seus agressores – nas violências contra mulheres com deficiência, a questão da dependência física e do cuidado é o principal motivo da desistência.
“Como a pessoa vai denunciar o próprio cuidador? Se fizer isso, quem vai medicá-la, banhá-la, cuidar dessa mulher depois da denúncia? E para onde ela vai, se for retirada da situação de abuso? Para um abrigo sem acessibilidade, sem um cuidador disponível? ”, indagou a ativista Adriana Dias. Segundo Adriana é necessária uma modificação das políticas públicas, e a criação de uma política nacional de cuidadores, que preveja o atendimento público às mulheres com deficiência em situação de violência.
Para Marcia Gori, a mulher com deficiência, que sofre violência, não possui a rede de cuidados disponíveis que a mulher sem deficiência possui. “Quase a totalidade das mulheres com deficiência intelectual sofrem ou já sofreram abusos em suas vidas, e a sociedade nem sabe desse fato. Precisamos enxergar essas mulheres”, defendeu.
Assista a audiência pública convocada pela Deputada Rosinha da Adefal na Comissão da Defesa dos Direitos das Mulheres da Câmara dos Deputados, para discutir o tema da violência contra as mulheres com deficiência, no dia 8/12/2016 .
 Fonte: http://www.inclusive.org.br/arquivos/29995

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

1° Congresso ON LINE gratuito sobre sexualidade para profissionais de saúde




"Como, infelizmente, muitas outras pessoas com deficiência ainda passam por situações terrivelmente humilhantes em relação a sua sexualidade, me sinto na obrigação de alertar a sociedade que TODAS as pessoas com deficiência podem ser felizes do jeito que são. Têm total direito de serem amadas, desejadas, queridas, seduzidas, e principalmente, de se apaixonarem pelos seus corpos. Têm o total direito de se sentirem confortáveis dentro deles, e exalarem felicidade pelos seus poros" - Leandra Migotto Certeza.

 Sexualidade das pessoas com deficiência:

Palestra incrível sobre quais são os principais mitos sobre sexualidade das pessoas com deficiência (seja física, auditiva, visual, intelectual, múltipla e surdocegueira) e como quebrá-los definitivamente. Por que Sexualidade e Deficiência ainda são temas pouco abordados no mundo todo!

Façam suas inscrições agora SOMENTE neste link:

https://go.hotmart.com/F5125553L?ap=e696 






Sexualidade das pessoas com deficiência

Leandra Migotto Certeza: é Jornalista, Palestrante Motivacional e Consultora em Inclusão e Diversidade. Premiada pelo projeto de pesquisa “Fantasias Caleidoscópicas” pela Associação Internacional para o Estudo da Sexualidade, Cultura e Sociedade em Lima; e o apresentou no “I Seminário Nacional de Saúde: Direitos Sexuais e Reprodutivos e Pessoas com Deficiência” em Brasília. Palestra sobre sexualidade da pessoa com deficiência na Secretaria de Promoção da Cidadania da Prefeitura de São José dos Campos (SP); Debate no Centro de Pesquisa e Formação do SESC (SP), e foi entrevistada pela RFI - Rádio France Internationale para abordar sua pesquisa.

+ Informações Clique Aqui

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Viva o corpo!



Obra de arte de Rosa Esteves

Queridas e queridos,
Quando escrevo essas palavras o sol se põe no horizonte da janela do meu quarto. A chuva parou e uma mistura fina de amarelo claro e alaranjado pairam no ar. As nuvens brancas se esfarelam, e um fino fio de azul surge tímido lá do fundo. Sinto PAZ em meu coração.
Tive o prazer de ver um trabalho de uma vida inteira. Emoção. Alegria. Conhecimento. O site de Rosa Esteves é uma viagem ao corpo da alma. À alma do corpo. Ao corpo do corpo. Ao universo do imaginário do que é o corpo e onde habita a alma.
Minha viagem está só começando. Conheço minha querida e amada tia há 30 anos, mas sua obra é ainda um grande mistério para mim. O que fica mais forte em minha alma é a delicadeza do toque na pele, do doce na boca, do mergulho em nossos desejos, sonhos, e vivências mais íntimas que seu trabalho nos mostra.
A mulher é um universo profundo. Começo a mergulhar nela aos 30 anos, quando meus desejos se afloram. Meu corpo sempre foi fraco, intocável. Meus desejos sempre estiveram no mais profundo poço do inatingível. Pecado tocar. Errado querer. Feio. Todos apotam. Todos comentam. Todos olham. Eu nunca pude dizer há que vim. O que sou. O que desejo. O que espero. O que luto. O que preciso mostrar.
Sempre fui tolhida. Sempre fui quebrada. Sempre senti dor. Sempre me senti presa a um corpo infantilizado. A um meio corpo. A uma meia criança-menina-mulher. A algo indefinido.
A busca por uma paz interior é como o por do sol que agora é lilás da minha janela. A linha é muito tênue. O medo é maior do que o azul claro que agora toma conta do céu.
Hoje quebro. Mas não o corpo. O que ele realmente é. A massa una entre alma e carne. Entre desejo e pudor. Entre vida e morte. Entre explosão e dor. Entre prazer e abrigo. Entre eu e muitas pessoas que moram em minha alma.
O corpo de uma mulher é múltiplo. É preciso mostrar ao mundo cada pedacinho que pulsa em corpos diferentes. São bocas em cabeças tortas, pernas grossas e curtas, bumbum arrebitado e torto, coxas arredondadas e cheias de ruguinhas infantins, púbis ardendo de tesão, seios pequenos em um tronco pequeno demais.
Não há cintura, não há quadril definido. Não há pernas finas e compridas. Não há balanço dos quadris. Não há andar sensual. Não há mini saia que leva ao mistério escuro como o céu que agora está em minha janela.
Não há uma mulher padronizada, robotizada, perfeita! Não há o esperado. Há outra possibilidade de ser mulher inteira com todos os sentimentos e sentidos que pulsam do corpo de alguém que sempre foi quem é.
Amar e ser amada trouxe força a minha alma para conseguir se libertar do corpo da sociedade que sempre me toliu. Da mãe interna que sempre me proibiu de ser eu mesma. Da mãe externa que sempre teve medo de me ver despedaçada.
Falar, mostrar, e trabalhar o corpo como Rosa Esteves faz é algo fundamental em um mundo tão superficial. Tão triste. Tão oco. Tão frio. Tão igual. Tão egoísta. Tão pequeno.
O corpo é grande. É forte. É pulsante. É vivo! Viva o CORPO!

Leandra Migotto Certeza - escritora, jornalista e ativista social - Texto escrito em 08/04/07.

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

XV Congresso Brasileiro de Sexualidade Humana

É com satisfação que comunicamos a XV Congresso Brasileiro de Sexualidade Humana, de 19 a 23 de outubro de 2015. O tema oficial é SEXUALIDADES: NOVOS OLHARES E NOVAS PERSPECTIVAS.

O grande diferencial deste ano é que a SBRASH decidiu realizar este evento totalmente online, democratizando o conhecimento e tornando livre o acesso dos saberes.

Durante 05 (cinco) dias, profissionais de renome estarão debatendo e expondo valioso conteúdo científico com o foco na pluralidade da sexualidade e das questões de gênero.

Profissionais, estudantes de todo o Brasil e também de outros países acompanharão, em tempo real, via internet, conferências, mesas redondas e temas livres. Será possível o envio de opiniões, perguntas e dúvidas que fomentarão o debate, enriquecendo o evento.

Será o primeiro evento na área da Sexualidade Humana exclusivamente online, cujo formato ultrapassa o conceito de mera exposição acadêmica, na medida em que incentiva a construção democrática do saber.

Em breve o site do evento estará no ar com todas as informações. Sejam todos(as) bem-vindos(as)!

Iracema Teixeira
Presidente da SBRASH - Gestão 2014-2015
Presidente do XV Congresso Brasileiro de Sexualidade Humana

Fonte: http://www.sbrash.org.br/noticias/42-diretoria/154-xv-congresso-brasileiro-de-sexualidade-humana-2015

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Profissional, mulher, esposa e mãe com Osteogenesis Imperfecta

O Programa Especial desta semana é todo dedicado a Luciana Fiamoncini, que trabalha com recursos humanos e tem osteogênese imperfeita, também conhecida como ossos de vidro. Ela mora em Balneário Camboriú, em Santa Catarina, é casada e tem um filho chamado Rafael. Conversamos com ela, com sua família e também com alguns colegas de trabalho.
Sentada na cadeira de rodas, Luciana segura o filho no colo e dá mamadeira para ele.
Em nossa ida a Camboriú, uma das conversas que tivemos com Luciana foi em um dos pontos mais bonitos da cidade em que ela mora, a praia Brava. Ela falou sobre o relacionamento com o marido, com quem já está há quatro anos:
“Quando eu conheci o Rodrigo, ele era muito caseiro, tanto que, no começo, a gente brigou inúmeras vezes, porque eu queria ir para a balada com as minhas amigas e ele não queria ir. Até que a gente entrou em um equilíbrio. Um final de semana a gente saia, o outro final de semana a gente ficava em casa e por isso que começou a dar certo. O tempo foi passando e eu comecei a gostar daquela brincadeira de namorar, e eu fui abrindo mão das outras coisas. Aí, a gente começou a fazer realmente planos juntos, de comprar carro, essas coisas.”
Luciana é funcionária pública e trabalha com RH. Paulo Roberto, um dos colegas de trabalho, falou sobre como é trabalhar com Luciana:
“A Luciana tem um perfil forte, ela bate o pé, dá bronca, as pessoas a respeitam pela forma e a maneira que ela conduz. Em qualquer empresa, setor público ou privado deveria abrir esse espaço para a inclusão das pessoas com deficiência.”
Visitamos a casa de Luciana para saber como é o dia a dia dela com o filho Rafael, que também tem osteogênese imperfeita. Ela falou sobre o futuro do filho:
“Em relação à criação do Rafael, eu pretendo seguir mais ou menos a mesma linha que foi dada para mim. A questão de incentivo, de apoiar, de incentivar. O que vai mudar um pouco é a questão de acessibilidade a tratamentos, que eu não tive. Os meus pais não tiveram acesso a nada disso, não tinham conhecimento, não tinham condições financeiras. Hoje em dia, nós podemos oferecer isso para o Rafa. Ele vai ser tratado igual a qualquer criança e vai ser cobrado como qualquer criança. No futuro do Rafael, nós queremos ter condições de oferecer estudo para ele, para ele ter uma profissão, constituir a família dele, ter uma vida como qualquer outra pessoa.”
Ainda neste programa, você vai acompanhar nosso repórter Zé Luiz Pacheco no quadro Desafio. Ele vai se aventurar andando de handbike, uma bicicleta adaptada em que os movimentos são feitos com as mãos.
Fonte: http://programaespecial.com.br/blog/577-perfil-luciana-fiamoncini